Enxaqueca X Cefaléia

A dor de cabeça é um sintoma comum em adultos e crianças
A dor de cabeça é um sintoma comum em adultos e crianças

A dor de cabeça é um sintoma comum em adultos e crianças, sendo responsável por elevado número de consultas médicas, principalmente neurológicas. Os pacientes freqüentemente associam sua dor à possibilidade da existência de uma patologia potencialmente grave, como tumor ou aneurisma intracraniano. Lembrando que apenas o profissional de saúde especificamente treinado poderá oferecer tratamento adequado para sua dor de cabeça, algumas orientações podem ser úteis.

A enxaqueca é uma doença muito mais comum do que se imagina. Estudos mostram que chega a afetar cerca de 20% das mulheres e 5 a 10% da população masculina. Trata-se de uma doença crônica de alto custo pessoal, social e econômico. Entretanto, é freqüentemente tratada como uma simples dor de cabeça, não chegando a receber os medicamentos específicos, mais eficazes, já disponíveis no país.

A Sociedade Brasileira de Cefaléia preparou este material com o objetivo de facilitar o reconhecimento da doença, levando eventuais pacientes a procurar assistência médica para confirmação do diagnóstico. Além disso, para indivíduos sabidamente com enxqueca, são apresentadas informações que podem ajudar a diminuir a freqüência das crises e o convívio com a doença.

Enxaqueca é uma doença neurovascular que se caracteriza por crises repetidas de dor de cabeça que podem ocorrer com uma freqüência bastante variável: enquanto alguns pacientes apresentam poucas crises durante toda a vida, outros relatam diversos episódios a cada mês.

Uma crise típica de enxaqueca é reconhecida pela dor que envolve metade da cabeça, piora com qualquer atividade física e está freqüentemente associada à náusea, vômitos e desconforto com a exposição à luz e sons altos, podendo durar até 72 h. Portanto, não se trata de uma simples dor de cabeça.

Nem sempre o paciente apresenta todos os sintomas típicos de enxaqueca.

Entretanto, o médico é capaz de reconhecer a enxaqueca pelo quadro clínico. De qualquer forma, a avaliação médica é fundamental para excluir outras causas de dor de cabeça antes de dar início ao tratamento.

Além disso, os pacientes podem tomar alguns cuidados:

  • • distribuir adequadamente a carga de trabalho, evitando acúmulo no escritório e o estresse de levar trabalho para casa;
  • • evitar fadiga excessiva;
  • • fazer as refeições em horários regulares e não “pular” refeições;
  • • eliminar os alimentos identificados como desencadeantes das crises;
  • • reduzir a ingestão de café e chá;
  • • evitar o uso de analgésicos sem supervisão médica;
  • • evitar exposição a luzes, ruídos e cheiros fortes;
  • • não se exercitar em dias muito quentes.

A Sociedade Internacional de Cefaléias divide as cefaléias em dois grandes grupos. O primeiro compreende as cefaléias primárias, aquelas que constituem em si mesmas a doença. O exemplo clássico é a anteriormente denominada enxaqueca, e que atinge aproximadamente 16% das mulheres. O segundo grupo é formado pelas cefaléias secundárias, que fazem parte do cortejo sintomatológico de uma doença qualquer, seja esta primária do sistema nervoso central ou sistêmica.

Embora as dores de cabeça na sua grande maioria sejam primárias, o risco representado por algumas cefaléias secundárias justifica a preocupação de pacientes e médicos.

Dentre as cefaléias primárias, a cefaléia do tipo tensional, em sua forma episódica, é a mais freqüente. É causada pela tensão muscular no pescoço, nos ombros e na cabeça. A tensão muscular pode ser decorrente de uma posição desconfortável do corpo, do estresse social ou psicológico ou da fadiga.

Em geral, as cefaléias tensionais manifestamse pela manhã ou no início da tarde e pioram durante o dia. Freqüentemente, o indivíduo apresenta uma dor contínua e moderada sobre os olhos ou na parte posterior da cabeça, e uma sensação de compressão, como uma faixa em torno da cabeça, pode acompanhar a dor. Ela pode estender-se por toda a cabeça e, algumas vezes, para baixo, em direção à região posterior do pescoço e aos ombros. Para diferenciar as cefaléias tensionais daquelas produzidas por condições mais graves, o médico deve levar em consideração a duração da dor e também a descrição do paciente relacionada à sua localização, o que faz com que ela seja desencadeada, o que a alivia. Além disso, deve ser observado se o indivíduo apresenta sintomas que acompanham a dor como, por exemplo, tontura, fraqueza, perda da sensibilidade ou febre.

Hoje em dia há vários tipos de terapias e tratamentos que melhoram e até curam os sintomas e causas tais como: Medicamentos, Fisioterapia, Massagem, Acupuntura, Quiropraxia. O importante é ficar atento aos sintomas e consultar um médico e fazer um bom diagnóstico para descobrir a causa. Depois disso é só escolher qual tratamento quer fazer

Praça Saens Peña, 55 - Sala 408 - Tijuca
CEP: 20520-090
Rio de Janeiro/ RJ
(21) 3471-5853
contato@julianapiva.com.br
(21) 9 8624-6035

Redes Socias